Game shows britânicos engraçaralhos

A pontuação é o que menos interessa

Esta imagem vai fazer sentido. (tanto quanto for possível)

Quando foram anunciados os novos companions em Doctor Who eu fiquei com um pé atrás com o Graham, o tiozinho. Achei que ele ia ser um saco e tal. Alguns episódios depois, eu passei a gostar cada vez mais do personagem (os episódios nem tanto).

Mas parece que não é só o personagem que é querido pelo público. Pelos subreddits de DW que eu acesso (r/doctorwho e r/gallifrey), a galera gosta bastante do ator, Bradley Walsh, até mesmo antes de DW. Os próprios atores comentam que ele é o brincalhão do elenco e tal.

Foi por aí que eu soube que o Bradley apresenta um programa em outra emissora, um game show chamado The Chase (ITV, 2009–). Como ninguém copiou ainda o formato aqui no Brasil, vale explicar: basicamente tem quatro participantes, que separadamente enfrentam um “chaser” (perseguidor?). Cada um responde umas perguntas de início e acumula uma grana que vai ter que defender do chaser.

Tem uma rampa com sete “casinhas”. O competidor e o Bradley ficam embaixo e na outra ponta, em cima, fica o chaser, que é algum competidor fodão de game shows, algo assim. (Inclusive quando o/a chaser entra tem toda uma pompa, música, luzes, fumaça, os caraio…)

Enfim, a grana fica três casas pra baixo do chaser, que oferece um prêmio mais alto (uma casa mais perto dele) e um mais baixo (uma casa mais longe dele). Escolhido o valor definitivo, faz-se perguntas pro participante e pro chaser. Quando o participante acerta, o dinheiro desce uma casinha na rampa; se errar, nada acontece. A mesma coisa com a posição do chaser. A ideia é trazer o dinheiro pra si antes do chaser alcançar. “Perseguidor”, entendeu?

Aí no final a grana que o pessoal conseguiu acumular vai pra uma soma que eles vão disputar com o chaser. O grupo tem 2 minutos pra ir acertando e fazendo uma “estrada” (cada resposta certa, uma casinha). Depois o chaser tem 2 minutos pra alcançar eles. Se alcançar, se fuderam, basicamente.

Momento Wikipédia à parte, a questão é que a produção do programa é filha da puta e bota umas perguntas com trocadilhos e innuendos™. Aí o Bradley quebra.

Dick Tingeler, bicho. vsf completamente

Tem uma pá de vídeos dele rindo (a maioria em qualidade baixa e proporção errada, fazer o quê), se cê quiser dar uma caçada vai fundo.

Mas o ponto principal aqui é que esse é um game show normal. Com pessoas “comuns”, vale dinheiro… O que dá essa graça é esse riso frouxo do Bradley. Fosse alguém mais sisudo, um robô leitor de TP, seria um game show genérico.

Tempos depois, tava lá eu no YouTube e me deparo com um desses vídeos “worst game show fails” etc.

Peço perdão pelo vacilo de pôr um desses vídeos com intro merda. Pelo menos não tem narração chata.

Saca ali nos 1:25, o “PENISDUMP”? Então, tava lendo os comentários e lá disseram que (supostamente, já que chamaram de hoax) era de um programa chamado Letters & Numbers (que nominho mais Silvio Santos esse), uma versão australiana de um programa britânico chamado Countdown.

Taquei “countdown” na busca do youtube. Caí nesse vídeo:

Assim… Eu até cacei no histórico do YouTube pra ver se era esse. Deve ter sido. Vamos considerar que foi.

Já na abertura, o closed caption:

Print da abertura do programa. Embaixo, a legenda “This programme contains strong language and adult humour.”
É muito chique né? “programME”, “humoUr”…

Este programa contém linguagem forte e humor adulto.

Ok então. Comecei a ver, e é um formato bem simples. A galera vai pedindo vogal ou consoante até dar nove letras e tem que formar a maior palavra possível com elas em 30 segundos.

Acontece que começaram os 30 segundos e…

“hue, os game shows britânicos são bem humorados né”, pensei.

Continuei assistindo, achei o formato interessante, o apresentador fazendo alguma graça em vez de sempre deixar os 30 segundos naquele silêncio, exceto pela musiquinha.

Aliás, eu conhecia aquele cara de outro lugar:

“Of course you are!”

Enfim… Segui assistindo outros episódios até que vi um comentário dizendo que aquele não era o programa original.

hein?

Pois é. O tal Countdown é um programa padrão, daqueles que existem há uns 50 anos, é apresentado por gente velha e assistido por gente velha (mas olha o lado bom, pelo menos esses velhos não assistem ao Geraldo Luís).

Na verdade, o que eu estava assistindo era uma derivação engraçaralha: 8 Out of 10 Cats Does Countdown. A galera que participa dessa versão na verdade é (era) de um programa chamado 8 Out of 10 Cats, que é definido como um “comedy panel show”.

Antes de falar do 8 Out of 10 Cats, deixa eu detalhar a parada do “panel show”. São game shows temáticos com equipes de comediantes e celebridades que, em resumo, ficam falando umas groselhas. Eu não conhecia essa expressão, mas imediatamente me veio na mente um quadro do Tom Scott (o youtuber mais britânico que eu conheço): Citation Needed. Eu devo ter visto um ou outro só, mas nesse quadro o Tom escolhe um artigo da Wikipédia sobre um fato curioso, e os participantes têm que ir adivinhando particularidades desse fato. O foco nem é a pontuação, mas sim as piadas e as sorrisas esboçadas enquanto eles vão adivinhando.

Também tem outro game show do Tom Scott que eu não sei se se encaixa no conceito “panel show” mas eu vou botar aqui porque achei bom: Lateral. É baseado no conceito de “pensar fora da caixa”, e até lembra um outro game show da TV britânica chamado Only Connect — esse é bem mais “seco”: a apresentadora faz umas piadas mais sarcásticas mas como não tem plateia soa meio desconfortável de início (mas você se acostuma eventualmente).

Enfim, quando você começa a assistir esses panel shows você não conhece ninguém, mas depois de um tempo a gente percebe que é basicamente um rodízio dos mesmos 30 comediantes do Reino Unido — e isso não é um problema porque, fora os temas, o cerne de todos os programas é o mesmo: o humor.

Esses programas todos passam em canais de TV britânicos: BBC, Channel 4, etc. Mas pra nossa sorte, tem um monte desses materiais no YouTube, em partes ou inteiros mesmo. Infelizmente são pouquíssimos os que têm legenda (e menos ainda em português). Mas vou deixar algumas recomendações aqui.

8 Out of 10 Cats (E4, 2005–)

É um programa que consiste em dois trios tentando adivinhar resultados de pesquisas feitas com o público geral.

“nossa mas que bosta”
você pode estar pensando, mas nem é

A parada é que enquanto eles tentam adivinhar vira um bate-papo, umas falação de bosta, aí do nada surge algum objeto ligado aos temas das conversas, umas piadocas aqui e ali, e nem parece direito um game show.

E é exatamente o ponto: a competição fica em segundo plano, o bom do programa é a zoação toda (“banter”, como eles dizem).

É apresentado pelo humorista Jimmy Carr, e os dois times têm três participantes, dos quais um é o capitão. Ao longo de mais de vinte temporadas, os capitães mudaram, mas acho que a fase mais longa e mais famosa foi com os comediantes Sean Lock e Jon Richardson.

A dinâmica entre eles é muito boa. O Sean é um tiozinho que já parece não ter mais saco pras coisas, e o Jon é um cara peculiar cheio de manias e TOC (de verdade mesmo).

Um dos pontos mais altos do programa foi quando eles foram fazer uma brincadeirinha besta envolvendo uma cenoura num especial de Natal e basicamente foi um belo estudo de caso sobre retórica e convencimento:

“Stupid game!”

8 Out of 10 Cats Does Countdown (Channel 4, 2012–)

Em alguma ação especial do Channel 4, Jimmy, Sean e Jon participaram de uma edição especial do Countdown original. Fez sucesso, aí teve outro especial com duas duplas (uma tendo o Sean e a outra o Jon), e aí virou um spin-off que é transmitido até hoje.

O tal Countdown original, como eu disse, é um programa tradicional que gente estudiosa e/ou chata e/ou velha assiste na hora do chá da tarde. Consiste em várias rodadas de jogos envolvendo letras e números. Para checar as letras, há a lexicógrafa Susie Dent. Para checar os números, a matemática Rachel Riley.

O bacana do Cats Countdown é que as duas participam do spin-off, e isso deu toda uma dinâmica diferente (que foi aumentando quando o programa virou fixo), já que ali elas se soltam, brincam, participam das ceninhas dos 30 segundos e tal.

Ainda são mantidos os jogos de letras e números, com as mesmas regras, mas como os participantes são comediantes, dane-se a competição. Na real, o programa tem 45 minutos (1 hora, com intervalos) mas os primeiros 20 são de conversa, piadas, e dos participantes mostrando os “mascotes” que eles trouxeram pro programa.

E tem o Jimmy Carr, né, conhecido por suas piadas mais… pesadas.

“the most unnecessary joke”

Big Fat Quiz (Channel 4, 2004–)

O principal é o The Big Fat Quiz of the Year, que acontece todo fim de ano, e tem mais de uma hora (afinal “big fat”). É uma competição de três duplas, sobre diversas coisas que aconteceram ao longo do ano.

Com o sucesso, fizeram algumas variações, como os quizzes de décadas específicas ou simplesmente “de tudo”.

Tem umas duplas muito boas, que vivem se repetindo, como o Richard Ayoade com o Noel Fielding.

Como o negócio editado dura uma hora e pouco, na gravação deve durar umas três, então a galera dá umas piradas às vezes:

Would I Lie to You? (BBC, 2007–)

Esse aqui consiste em várias histórias dos participantes. O foco é adivinhar se aquela história é verdade ou mentira. Também tem algumas variações: às vezes tem algum objeto envolvido na história, às vezes é uma pessoa envolvida, presente no palco.

O diferencial são os dois capitães dos times: David Mitchell e Lee Mack. O David é extremamente lógico e racional, o que faz com que ele quebre completamente quando alguém mais caótico, como o Bob Mortimer, conta as maluquices dele.

“What should I base it on, Bob???”

O Lee, por outro lado, quase sempre recebe umas mentiras mas muito na cara que são falsas, e tem que se virar pra tentar convencer o outro time de que poderia ser verdade, e obviamente pra zoar e dar graça ao programa. E ele consegue. O cara é extremamente rápido nas respostas e piadinhas (lá eles falam que ele tem “quick wit”). Tem vezes que é inacreditável.

QI (BBC, 2003–)

O princípio do QI é discutir questões curiosas e diversas partindo de um mesmo tema. As temporadas inclusive, são identificadas por letras, e cada episódio tem um tema que inicia com a letra da temporada.

A ideia principal é tratar de temas curiosos e obscuros, onde as respostas não são óbvias. Inclusive, frequentemente tem perguntas com respostas que parecem óbvias e são conhecidas, mas são erradas. Quando algum dos “panelistas” cai numa armadilha dessa, tem todo um alerta mostrando que a produção previu a resposta óbvia:

(e se tentar refutar, piora)

Taskmaster (Dave, 2015–2019 / Channel 4, 2020–)

Esse eu acho que é a culminação de todos esses programas. Descobri nesse ano, nessa maldita pandemia, e felizmente várias temporadas estão disponíveis no canal oficial no YouTube. Virou meu programa favorito (nesse ano pelo menos).

Consiste em cinco “celebridades”, em sua maioria comediantes, realizando tarefas para agradar o taskmaster Greg Davies. Monitorando as tarefas de todos eles, está o assistente (Little) Alex Horne.

Pra quem já assistiu os outros programas que eu citei, torna-se bem fácil ver Taskmaster porque vários “panelistas” desses programas participaram dele.

A maioria das tarefas é pré-gravada, quase todas numa casinha bem charmosinha em Londres. A edição desses VTs é ótima, e tem toda uma identidade “surreal” nas breves vinhetinhas antes de a tarefa começar.

Há algumas tarefas em grupo, algumas em outras locações, e todo episódio tem uma tarefa de “prêmio” que inicia o programa, e uma tarefa ao vivo que encerra.

Tem tarefas físicas, com tempo, criativas. É bem diverso. Nas tarefas de “prêmio”, eles têm que trazer algum objeto que se encaixe na categoria daquele episódio. Como é no começo do programa, serve pra aquecer o banter entre os participantes.

O bom das tarefas é que frequentemente elas permitem diversas interpretações. Então tem participante que segue o esperado, participante que tenta arriscar e dá certo, e participante que arrisca e se ferra.

“like a melon buffet”
“Is there some pineapple… hidden in your arse?”
“oh gang.”
“The perfect stuff!”

Já tem as temporadas 1 a 7 completas no YouTube, e eles estão subindo a 10ª, que começou a passar na TV esse mês. Vá assistir. O mais rápido ganha. Seu tempo começa agora.

--

--

--

Protoprofessor de Química e pseudoeditor de vídeo que arrisca uns motion graphics.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Gui C de Souza

Gui C de Souza

Protoprofessor de Química e pseudoeditor de vídeo que arrisca uns motion graphics.

More from Medium

Clienteling in the Digital Age: The Digital Transformation of Consumption (Part 1).

Renewable Energy for the metaverse: How NRverse offers access to more sustainability in the web3…

CCIV Stock & Lucid Motors Update & How I Bought Warrants First Time Ever

Goodbye, Mrs. Brown.